sexta-feira, 5 de julho de 2013

Avô de jovem que matou Davi Nogueira em Itanhandu conta sua versão do fato


João Cezar de Castro Neto - Após as agressões do dia 29/05/13 veja como ficou o rosto do meu neto, comprovado com Exame de Corpo Delito da Santa Casa de Itanhandu e devido B.O. ( Boletim de Ocorrência ) da Policia Militar.

O atrito entre os jovens iniciou-se no Carnaval, quando meu neto ainda era de menor. Foi aconselhado pela família para que evitasse toda e qualquer provocação. Como é um garoto responsável, pois trabalha desde os 17 anos e estuda à noite, deixou de sair diversas finais de semana, evitando as provocações dos dois irmãos. Os pais destes, em vez de aconselhá-los, passaram a incentivá-los para brigar. O pai foi o maior incentivador pois resolveu, por conta própria entrar na briga, passando a perseguir o meu neto, de carro, junto com os dois filhos, seguindo-o por diversas vezes. No dia 18/06/13, meu neto vinha para casa, próximo ao CVT, de bicicleta e foi abordado pelos três, que do carro o ameaçaram gritando = É hoje, hoje o sangue vai correr. Meu neto conseguiu fugir e em disparada pulou um muro e se escondeu em casa de amigos. Telefonou ao pai para buscá-lo. O pai dele, que é o meu filho João, vinha do Ipê para a Várzea e foi cercado pelos três, perto da ponte, que com pedaços de pau desceram do carro ameaçando-o e meu filho teve que voltar para evitar um mal maior. Um outro B.O foi feito na Policia Militar.
No dia seguinte, dia 19/06/11, o IRRESPONSÁVEL do pai dos irmãos, ainda não satisfeito com toda confusão, resolveu envolver mais um membro da família. Aos gritos de = EU QUERO VER CORRER SANGUE, VOU MATAR O SEU SOBRINHO. Na garagem da Prefeitura + ou - 15 h disse ao meu outro filho Júlio pois ambos são motoristas. Este, incapaz de matar uma mosca, um filho exemplar, um homem considerado por todos, sem inimizade, responsável ao extremo, ex militar da Aeronáutica e a mais de 8 anos como funcionário Público Municipal. Meu filho ainda falou a ele = Vou levar meu sobrinho próximo a sua casa e vamos acabar com essa confusão, sou um homem de paz. Meus filhos acreditavam que seria uma conversa amistosa e deu no que deu caindo em uma ARMADILHA. Foram recebidos com barras de ferro, paus e outros apetrechos e em instantes meu filho João estava ensanguentado e caido. Meu filho Júlio, apenas segurou um dos irmãos e mesmo assim foi golpeado diversas vezes pelo pai, que naquele instante não era um ser humano pois mais parecia com um animal, segundo testemunhas. Um soldado apareceu, pois a briga foi perto do Quartel, sacou da arma, pediu a fera que parasse e mesmo assim nada pode fazer. Meu neto, que fez 18 anos em março, então resolveu entrar, vendo seu pai e seu tio com as cabeças ensanguentadas arrumou uma força descomunal, tomou a arma de um deles e passou a golpeá-los. Agiu em LEGÍTIMA DEFESA, pois se não tivesse agido assim hoje choraríamos 3 mortes.
É triste, é lamentável e nada justifica uma morte.
Estou dando essa versão, pois diversos amigos pediram, as calúnias e mentiras da outra família todas serão esclarecidas. E a verdade prevalecerá.
Hoje, duas famílias estão dilaceradas. Um morto e meus dois filhos e meu neto no Presidio. Tudo, tudo isso devido a IRRESPONSABILIDADE DE UM PAI.





João Cezar de Castro Neto - Sua família te ama e este seu avô aqui tem o maior orgulho de vc.


Obs = Acabei de fazer um B.O. contra um membro da outra família, pois fui impedido de entrar na Delegacia sendo chamado histericamente de PAI DE ASSASSINO e outras ofensas.


As autoridades, tanto civis como militares, precisam tomar providencias urgentes não arquivando os B.O.s.


ISSO NÃO PODE CONTINUAR !!!


João Cezar de Castro.

6 comentários:

Anônimo disse...

ninguém tem direito de tirar a vida de ninguém que os mesmos sejam condenados.

Anônimo disse...

MATAR ALGUÉM NÃO TEM EXPLICAÇÃO!O SENHOR DEVE AMAR O SEU NETO, MAS, DIZER QUE TEM ORGULHO DE SER AVÔ DE UM ASSASSINO JÁ É DEMAIS! O DAVI TINHA UMA VIDA INTEIRA PRA VIVER ...FOI UMA TRAGÉDIA...NÃO TEM EXPLICAÇÃO!!!!!!!ME COLOCO NO LUGAR DA MÃE DELE, MEU DEUS.. QUANDO LI ESTA NOTÍCIA, CHOREI COMO SE ELE FOSSE MEU FILHO...QUE DEUS DÊ MUITA FORÇA PARA A FAMÍLIA DO DAVI.

Anônimo disse...

Existem duas versões do fato. Uma mídia comprometida com a verdade, deve sempre ouvir os dois lados da história e só depois publicar a matéria. Falar até papagaio fala, difícil é provar tudo o que se diz

.

Jornal Polêmica disse...

Esse espaço está aberto para a versão da outra família. Se quiser pode enviar email para: polemica@starweb.com.br ou publicar direto aqui, se identificando.

Anônimo disse...

Qta mentira!!! A realidade é bem contrária á tudo isso que ta ai escrito.Inverteram os papéis foi???Davi que estava sendo perseguido, insultado, provocado.Davi era do bem, trabalhador e amigo de todos.Que Deus o tenha e que dê o conforto à sua família.Justiça seja feita.Um avô que tem orgulho de um neto que tirou a vida de um rapaz do BEM já se vê que boa família não é.E que politico nenhum faça valer o contrário porque a justiça de Deus é PERFEITA.ASSASSINO na cadeiaaaaaaa.

Anônimo disse...

Sou tia do jovem Davi Nogueira Leite, de 21 anos, assassinado brutalmente em Itanhandu na data de 19/06/2013. Logo após o assassinato do mesmo, este jornal comprometido com a verdade, relatou o que deverás havia ocorrido, acontece que agora o pai e avô dos acusados vem dar a sua versão distorcida dos fatos e considerando o direito de resposta, gostaria de me manifestar:

Penso que este senhor Cezar deveria ao menos respeitar a dor alheia, quanto mais a dor de familiares que perderam um ente querido devido a golpes desferidos por seus filhos e neto. Saiba que as medidas legais já estão sendo tomadas...caluniar, difamar sem provas é mto fácil...quanto mais caluniar, difamar um morto, alguém que foi assinado por seus filhos e neto. Quanto a verdade dos fatos, não há mto o que dizer, afinal, Sr. Cezar, contra fatos não há argumentos: meu sobrinho foi assassinado com 5 perfurações nas costas. Quando não se tem nada de bom a dizer, é mais prudente e sensato se calar!



Cíntia C. Nogueira

Postar um comentário